quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Marca Própria

Ninguém deveria comprar produtos das marcas próprias dos supermercados. Supermercados e hipermercados (em breve teremos gigamercados e teramercados) são distribuidores por definição, e jamais deveria ser permitido que passem deste papel. Eles já dispõem de fortíssimo poderio econômico, e se além de distribuir os produtos passarem também a assiná-los, tal integração vertical embutirá o risco de cairmos em alguns quase-monopólios.

Dada sua ampla estrutura de pontos de venda, os megamercados podem estrangular os fabricantes de produtos, fazendo dumping (underprice) até que o produtor concorrente (que não tem pontos próprios de distribuição) feneça; e então a marca própria do supermercado ficará com terreno livre para ser comercializada a qualquer preço.

Na verdade, nem mesmo um dumping é necessário: basta que tratem com descaso proposital o produto que querem boicotar – como no caso de uma geléia que sempre busco e que está invariavelmente escondida, melada, em falta ou besuntada em um petamercado que – adivinhe! – comercializa marca própria da mesma geléia...

É como aquela famosa figura do traficante de drogas com o qual se ameaçava as crianças na escola: “primeiro ele vai te dar de graça, mas quando você estiver viciado então ele vai vender cobrando caro!”. Pois o mesmo pode ocorrer com as marcas próprias: primeiro eles vão vender barato, para sufocar a concorrência; e depois vão meter a faca e rodar, pois não teremos mais opção.

Cabe a nós, consumidores, não permití-lo. Supermercado distribui, produtor produz. Não se deixe levar pelo preço baixo da marca própria; ele pode ter vida curta, e pior: intenções pouco nobres.

(jan/2011)

5 comentários:

  1. Muito inteligente e prestativa colocacao!!! Um grande beijo!!!!

    ResponderExcluir
  2. Well Done... Mr Guedes.

    Abçs
    Cláudio Marani

    ResponderExcluir
  3. José Cláudio Marani (pai)7 de janeiro de 2011 02:14

    EU CONCORDO COM O MARCIO, TODAVIA, O MAIS BANDIDO NESSA HISTÓRIA EH O FABRICANTE QUE SE PROSTITUI, DEIXANDO O SUPERMERCADO COLOCAR SUA ETIQUETA. LOGO, CONCLUO QUE O BANDIDO NESSA HISTORIA EH ESSE FABRICANTE, QUE SERÁ SEMPRE CORROMPIDO, POIS, O SUPERMERCADO JAMAIS IRÁ MONTAR FÁBRICAS PROPRIAS.

    ResponderExcluir
  4. Teoria dos jogos, Marcio..não vamos convencer todo mundo. Cabe as empresas investir em marca e comunicação para evitar a comoditizacao..

    ResponderExcluir
  5. Apesar de ser suspeito,concordo plenamente.
    Se não me engano esta idéia começou com o Carrefour e se espalhou para os outros grandes Supermercados.
    A intenção é realmente esta, a de destruir ou no mínimo enfraquecer as marcas dos fabricantes para depois impor aos consumidores as suas.
    Algumas redes (por exemplo o Pão de Açúcar) cobram de 20% a 25% dos fabricantes para terem seus produtos expostos, fazendo com que os preços fiquem sempre superiores aos similares de Marca Própria.
    Elas podem vir com o nome do próprio Supermercado ,como é o caso do Carrefour ou disfarçadas como nos casos de Pão de Açúcar (Qualitá) e Zona Sul (Zuppa) para não citar outros.
    É uma luta desigual.

    ResponderExcluir