quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Welcome Maria!

Bem-vinda ao lado de cá da vida, MARIA!

Você será muito importante para um monte de gente aqui – na verdade, já é. Mas é também importante para algumas pessoas que não imaginaria. Como eu, por exemplo.

Você foi a primeira pessoa de quem assiti o anúncio da gravidez. Eu estava ao lado de sua Mãe em sua mesa de trabalho, em uma segunda-feira absolutamente normal, perto da hora do almoço, quando inesperadamente, saído do nada, ela falou:
- “Gente, tenho um anúncio... estou grávida...”
Maria Fernanda disse isto em voz baixa, como é sua característica; apenas para as duas ou três pessoas mais próximas. Bem, nós trabalhamos em uma enorme sala, talvez com uns 500 m2... mas o andar parou!!! Todas as pessoas ouviram (não me pergunte como), olharam, se aproximaram, parecia um poderoso imã que a todos atraía, foi impressionante ver toda aquela gente caminhando em nossa direção por causa de uma frase dita em voz tão baixa... Bem, não era em nossa direção, Maria: era em sua direção.

Você foi também a primeira pessoa de quem acompanhei o desenvolvimento. Sua Mãe não engordava de jeito nenhum, apesar das cobranças de todos; o orgulho de seu Pai, que só se apresentava como “o Pai da Maria”; os cuidados com sua nova casa e seu novo quarto, que teimavam em não ficar prontos; as poucas vezes que sua Mãe não se sentiu bem, demonstrando a beleza e a delicadeza da Mulher, e de sua condição de Futura Mãe. Futura, não: naquele momento ela já era Mãe, embora não aparecesse. Mas de repente você começou a despontar sob a forma de uma indiscutível barriga de grávida; e a partir de então, todos diziam:
- “Ah! Agora sim, Maria Fernanda está grávida!...”

Acompanhei ainda os preparativos de seu Chá de Bebê, o que foi para mim um aprendizado de que não apenas os Homens têm brinquedos por toda a vida, mas também as Mulheres... Você foi motivo para muita brincadeira de boneca, com as roupinhas, brinquedinhos, cuidadinhos, sapatinhos, berço, cadeira e toda espécie de acessórios com os quais desde sua infância você também vai se acostumar a brincar... Que as Mulheres nunca mais me acusem de ser uma criança grande...

Sua Mãe foi sempre calma, sempre tranqüila, fazia hidroginástica e se resguardava, foi zen por toda a preparação de sua chegada. Ela fez tudo direitinho. Agora você chegou: está aqui, conosco, e agora é com você. Você é muito bem-vinda, e eu sou testemunha disto.

E lembre-se sempre: no dia de seu aniversário, quem está de parabéns é a sua Mãe!

Com carinho,

Marcio

(out/2003)

2 comentários:

  1. Não vejo a hora de Maria saber ler para que ela própria compreenda esta carta... Obrigada Marcio.

    ResponderExcluir